Buda nagô

Gilberto Gil

Dorival é ímpar
Dorival é par
Dorival é terra
Dorival é mar

Dorival tá no pé
Dorival tá na mão
Dorival tá no céu
Dorival tá no chão

Dorival é belo
Dorival é bom
Dorival é tudo
Que estiver no tom

Dorival vai cantar
Dorival em CD
Dorival vai sambar
Dorival na TV

Dorival é um Buda nagô
Filho da casa real da inspiração
Como príncipe, principiou
A nova idade de ouro da canção
Mas um dia Xangô
Deu-lhe a iluminação
Lá na beira do mar (foi?)
Na praia de Armação (foi não)
Lá no Jardim de Alá (foi?)
Lá no alto sertão (foi não)
Lá na mesa de um bar (foi?)
Dentro do coração

Dorival é Eva
Dorival Adão
Dorival é lima
Dorival limão

Dorival é a mãe
Dorival é o pai
Dorival é o peão
Balança, mas não cai

Dorival é um monge chinês
Nascido na Roma negra, Salvador
Se é que ele fez fortuna, ele a fez
Apostando tudo na carta do amor
Ases, damas e reis
Ele teve e passou (iaiá)
Teve o mundo aos seus pés (ioiô)
Ele viu, nem ligou (iaiá)
Seguidores fiéis (ioiô)
E ele se adiantou (iaiá)
Só levou seus pincéis (ioiô)
A viola e uma flor

Dorival é índio
Desse que anda nu
Que bebe garapa
Que come beiju

Dorival no Japão
Dorival samurai
Dorival é a nação
Balança, mas não cai


© Gege Edições / Preta Music (EUA & Canadá)

ficha técnica da faixa:
voz e violão: Gilberto Gil
participação especial: Nana Caymmi
baixo: Rubens Sabino (Rubão)
percussão: Carlinhos Brown
percussão: Djalma Correa
teclado: William Magalhães

Outras gravações:
"Chegar a Bahia", Clecia Queiroz, Usina Cultural
"Som Brasil canta Caymmi", Gilberto Gil, Som livre 2004
"Parabolicamara", Gilberto Gil, Warner Music 2002
"It 's good to be alive - anos 90", Gilberto Gil, Warner Music 2002
"The very best of Gilberto Gil the soul of Brazil",Warner Music, Gilberto Gil 2005
"Parabolicamara", Gilberto gil, Warner Music
"Para Gil e Caetano", Margareth Menezes, Canal Brazil s/a 2014
"Caixa Nana Caymmi (CD eu sei que vou te amar - cd2)", Nana Caymmi e Gilberto Gil, Emi Music 2011


"A música, sem a letra - e sem nada pensado para ela -, nasceu em Roma, no hotel, depois de um show da família Marley (mãe, mulher e filhos), do qual eu havia participado. Na volta ao Brasil, eu já sabia que seria para Caymmi. Fui listando, experimentalmente: 'Dorival é isso', 'Dorival é aquilo' etc. etc. etc.; algumas coisas ficaram, muitas não. Até que me ocorreu: 'Dorival é ímpar' - e eu me tranquilizei: ali estava um começo, sem dúvida; pois em seguida veio "Dorival é par' e, de par em par, todo o texto de contrastes."

O sagrado no profano - "As semelhanças, por mim engendradas, e dessemelhanças entre as trajetórias do Buda e do Caymmi, o nosso Buda, ocidental, atual, transpreto e transreligioso. Um, abandonando o palácio e a vida principesca para iniciar sua peregrinação acética de abdicações e mortificações, até sentar-se cansado, como conta a lenda, debaixo de uma árvore e, aí, se iluminar. E o outro, obtendo a, segundo o meu ponto de vista, iluminação - a elevação de espírito que ele demonstra ter -, no percurso de uma vida mundana, de um roteiro que passa por lugares comuns.

"Mais exatamente: pela praia de Armação, perto do Jardim de Alá, onde há muitos anos se concentravam as grandes comunidades de pescadores de Salvador; pelo sertão de Olho D'Água, Lagoinha e outras citadas por ele na música Fiz Uma Viagem, onde o personagem vai de uma cidade pra outra do interior; e pelas famosas mesas dos bares de Copacabana, onde Estela, sua mulher, ia buscá-lo, ele tomando seu conhaque.

"A iluminação de um homem comum e a desnecessidade da visão sacralizante de um espaço especialmente ungido para obtê-la. Esses os sentidos de Buda Nagô."

Last but not least - "Eu tinha me dado por satisfeito com a canção, quando dias depois senti que a parte B merecia uma replicação, e o conceito do 'Buda nagô', outra carga explicatória. Então, a partir de mais uma conjunção de imagens contrastantes, a do monge chinês nascido na Roma baiana, eu criei a estrofe em que faço a descrição da renúncia na vida de Caymmi - o que teria levado, nele, à limpeza do terreno interior -, com as referências às cartas de jogo aparecendo para dar a idéia dos tempos do Cassino da Urca, no Rio."

Enumeração pedagógica - " 'Dorival é o quê?' 'Dorival é isso.' 'Dorival é o quê?' 'Dorival é aquilo.' 'E o que mais?' 'Aquilo outro.' Como se numa sala de aula se fizesse com as crianças um jogo de elucidação com o objetivo de se imiscuir nelas, de modo simples, o conhecimento de algo. Buda Nagô seria a resposta em série à proposta de revelar Caymmi num jogo desse. Seu pedagogismo infantil é para trazer a dimensão da inocência - que, enfim, se confunde com a iluminação."
BRWMB9901195