Gilberto Gil ensaia com Cortejo Afro e Núcleo de Ópera da Bahia no Palácio da Aclamação

O Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (Ipac) e o Núcleo de Ópera da Bahia (NOB) anunciam a Programação Anual de ensaios e apresentações artísticas de ópera no Palácio da Aclamação (Av. 7 de setembro, 1330), neste sábado (18), às 14h (evento fechado para os artistas, autoridades e imprensa). O lançamento acontece com as presenças e participações especiais do cantor e compositor baiano Gilberto Gil e do bloco Cortejo Afro. Padrinho do NOB, o cantor e compositor Gilberto Gil também será homenageado pelo Cortejo durante o Carnaval de Salvador 2017. O ensaio será com músicas de Gilberto Gil e arranjos do diretor do NOB, maestro Aldo Brizzi.

Ao longo de 2017, o NOB estará usando o Salão Nobre do Palácio da Aclamação para seus ensaios. O grupo anuncia que estará ensaiando a ópera Treemonisha para apresentações em Lisboa (Portugal), em abril e maio. Na sequência começam os trabalhos para três outras óperas. Uma sobre terreiros de candomblé tombados pelo Ipac (em comemoração aos 50 anos do instituto, comemorados em setembro deste ano); outra infanto-juvenil (com apresentações para escolas públicas seguindo a proposta de formação de público) e mais uma que terá inspiração nos festejos juninos.

“Estamos ansiosos para ensaiar com o piano de cauda Steinway, adquirido pelo Aclamação na década de 40. pois é um dos melhores do Brasil, fabricado em cedro do Líbano, madeira rara”, comemora Brizzi. Segundo ele, o Aclamação também vai sediar uma série de apresentações intituladas “Concerto de lieder” - concerto de canções, de obras geralmente constituídas por uma estrutura musical organizada a partir de um poema. “As apresentações vão de Dorival Caymmi a (Wilhelm Richard) Wagner. Para cada uma delas chamaremos um diretor de cena, pois num concerto de lieder, a música adapta-se sempre ao texto que tem função fundamental”, explica o maestro.

Em alguns desses trabalhos, o NOB contará com a participação do Coral do Ipac que também começa a ensaiar semanalmente (terças e quintas) no Palácio da Aclamação. O coral contará com preparação vocal de Graça Reis (soprano do NOB) e regência do maestro Aldo Brizzi.

O núcleo é formado por cerca de 70 músicos, cantores e bailarinos e fez a estreia mundial da versão em português da ópera Treemonisha com orquestração de Brizzi, no último dia 26 de janeiro no Teatro Castro Alves, equipamento também da SecultBA. Dividida em três atos, a obra do americano Scott Joplin (1868-1917), considerado o rei do ragtime, foi a primeira ópera escrita por um compositor negro que se tem notícia.

A apresentação fala do período da escravidão, tema comum à realidade brasileira e Joplin, devido às suas raízes afrodescendentes, criou mistura de ritmos e melodias se fundindo em uma mensagem: somos todos seres humanos e podemos conviver juntos. “A versão apresentada no Teatro Castro Alves teve a participação do Cortejo Afro e exaltou o valor adjunto da cultura e da arte brasileira e afro-brasileira miscigenada a cultura da música erudita, criando assim, uma nova imagem da cultura sincrética e multiplural da Bahia, da sua força e da sua criatividade”, conta Aldo.



in Secretaria de Comunicação Social, 16.02.2017
2670 registros:  |< < 1 2 3 4 5 6 7 8 > >| 
 
2009 © Gege Produções Artísticas Refazenda fez