Gil lança álbum de inéditas e estreia programa na TV

O cantor baiano apresenta 15 novas composições e comanda Amigos, Sons e Palavras no Canal Brasil a partir do dia 21

Os problemas de saúde enfrentados pelo cantor e compositor Gilberto Gil, 76, nos últimos anos, não diminuíram o seu ímpeto criativo. Na verdade, eles inspiraram até duas canções do seu novo e bom álbum, Ok, Ok, Ok (Gege/Biscoito Fino): Quatro Pedacinhos e Kalil.

Gilberto Gil, 76 anos, apresenta 15 canções inéditas no álbum Ok, Ok, Ok, disponível por enquanto apenas na Apple Music. Dia 17 chega às outras plataformais digitais e será lançado também em CD e vinil (Foto/Gerard Giaume/Divulgação)

A poética Quatro Pedacinhos fala dos procedimentos de sua internação, em 2016, quando ele foi diagnosticado com hipertensão e insuficiência renal, e teve que fazer uma biópsia no coração. Foi composta para a médica Roberta Saretta.

“Ela mandou arrancar quatro pedacinhos do meu coração/ Depois mandou examinar os quatro pedacinhos/ Um para saber se eu sinto medo/ Um para saber se eu sinto dor/ Um para saber os meus segredos/ Um para saber se eu sinto amor”, diz a letra.

O médico Roberto Kalil, que cuidou do cantor no Hospital Sírio–Libanês, em São Paulo, é o Kalil da canção homônima, uma das três faixas bônus que integram o repertório de 15 músicas de Ok, Ok, Ok, o primeiro álbum de inéditas de Gil desde Fé na Festa, de 2010.

Anteontem à noite, o artista baiano recebeu convidados e jornalistas no bonito Studio OM.art, no Jockey Club, no Rio, para um festivo lançamento do álbum e do programa Amigos, Sons e Palavras, que estreia no próximo dia 21 no Canal Brasil, às 21h30, e no qual ele conversa com artistas e personalidades. Entre eles, Caetano Veloso, Fernanda Torres, Fernando Henrique Cardoso, Drauzio Varella e Lázaro Ramos.

Lula e Marina Silva - Artista de participação ativa na cultura e na sociedade brasileira desde o seu surgimento na década de 1960, Gil questiona no título do álbum e no ótimo single homônimo a constante solicitação de posicionamentos que lhe fazem desde sempre: “Ok, Ok, Ok, Ok, Ok, Ok/ Já sei que querem a minha opinião/ Um papo reto sobre o que eu pensei/ Como interpreto a tal, a vil situação”, canta nos primeiros versos.

“A questão de sermos solicitados a dar pitaco, opinião sobre tudo, a dizer coisas com as quais alinhamos ou não alinhamos é algo que já vem de muito tempo por força da nossa geração. Pertenço a uma geração que foi obrigada a fazer isso. Vem desde o tempo da ditadura. Muito por ímpeto, mas muito por responsalidade social, por nos tornarmos figuras públicas, ídolos”, explicou.

A sua recente participação ao lado de Chico Buarque no Festival Lula Livre, no Rio de Janeiro, foi usada como exemplo da responsabilidade social da geração de artistas dos anos 1960, que enfrentou graves problemas de direitos humanos no país.

“A música Cálice (1973) que cantei com Chico agora na manifestação a qual aderimos em favor da libertação do Lula, foi feita lá atrás falando da questão da censura na ditadura. É uma demanda que vem historicamente acontecendo para a nossa geração. Gente como eu, Chico, Caetano e tantos outros”, afirmou.

Mesmo tendo participado do Festival Lula Livre, o compositor diz que provavelmente não votaria no ex-presidente. O posicionamento não soa incoerente para um homem especial como Gil , que recusa o pensamento único, gosta da pluralidade de ideias e evita o maniqueísmo.

“Fui ao festival por questões de princípios em relação à defesa dos direitos democráticos, de pluralidade, de manifestação, de uso da palavra. Se o Lula fosse candidato, eu talvez nem votaria nele, mas sim na Marina Silva, em quem já votei duas vezes. Não estava ali defendendo a ideia da candidatura dele, mas me colocando em relação às dificuldades que temos de compreender os aspectos de lisura de seu processo e condenação”.

Viver e morrer - Dois outros fatores inspiraram a música Ok, Ok, Ok: o palanque individual e público das redes sociais, onde qualquer um acha que pode dizer o que bem quiser, e o direito do poeta e do compositor a sua própria linguagem, a sua individualidade - aliás, algo brilhantemente dito na Pérola Metáfora (1982).

“Quando estava hospitalizado me mataram duas vezes. Me mandaram um e-mail com dois posts, onde diziam que eu morri e em outro alguém falava: ‘já foi tarde’”, contou Gil aos risos ao exemplificar ataques das redes sociais. Ele acredita que isso não tem a ver apenas com o seu passado como ministro da Cultura do governo Lula.

“Tem a ver com tudo, tem a ver com o fato de eu ser negro. É bom que se diga isso”, ressaltou com ênfase o artista, que há um bom tempo se mostra sereno e sábio em relação à única certeza inevitável na vida: a morte.

“Sempre pensei nisso antes desses episódios que desafiaram a minha saúde e vitalidade. Walter Smetak, um grande músico, matemático e pensador que migrou da Suíça para o Brasil e se instalou na Bahia, me disse um dia: ‘Gil, pense na morte todo dia’.

Caetano Veloso é o convidado de Gilberto Gil na estreia do programa Amigos, Sons e Palavras, dia 21, no Canal Brasil, às 21h30 (Foto/Marcelo Tabach/Divulgação)

Passei a pensar todo dia desde então. Ele era pesquisador das religiões esotéricas e me tornei apreciador também desse modo de pensar a existência. A morte faz parte da vida, se vale a pena viver então morrer vale a pena. É um trecho de uma das minhas músicas”, declarou.

Caetano - Uma das atrações especiais do aniversário do Canal Brasil, que completa 20 anos em setembro, a série Amigos, Sons e Palavras tem 11 episódios e traz Caetano Veloso como convidado de Gilberto Gil na estreia dia 21. Já na abertura do programa, Gil interpreta Ok, Ok, Ok. Além dos motivos que inspiram a composição, eles conversam sobre o ato de envelhecer.

“Eu disse que ia usar uma das frases famosas de Dona Canô: ‘Quem não morre envelhece’. É uma frase muito simples e natural, mas sábia, que denota essa necessidade que temos que é estabelecer um diálogo profundo entre a finitude e a plenitude do viver, que em geral está muito associada à juventude, quando não pensamos na morte”, explicou.



twitter
in Correio da Bahia - Salvador, 11.08.2018
 
2985 registros:  |< < 1 2 3 4 5 6 7 8 > >|