Documentário conta a história da música popular brasileira


Em 85 minutos, os diretores Renato Terra e Ricardo Calil conseguem colocar em cena uma emoção que marcou a história da música popular brasileira no documentário “Uma Noite em 67”. Projeto que só foi possível graças à imagens dos arquivos da TV Record, a produção foi exibida e muito aplaudida na noite de ontem no Festival de Cinema de Paulínia, no interior de São Paulo.

No teatro do Festival, naquela noite, aplausos, vaias, um violão quebrado, guitarras estridentes. No palco, os jovens Chico Buarque, Caetano Veloso, Gilberto Gil , Roberto Carlos, Edu Lobo e Sérgio Ricardo. As músicas, Roda Viva, Ponteio, Alegria, Alegria, Domingo no Parque. E só um deles sairia vencedor: “Ponteio”. Em coletiva de imprensa, na manhã desta terça-feira, os produtores revelaram seu desejo de provocar uma experiência pessoal. Botando os depoimentos em primeira pessoa, as opções de montagem era a busca de um encontro intimo e de produzir uma experiência. Ele não é explicativo. Ele é expositivo. Há depoimentos dos principais protagonistas daquela noite. Os artistas falam hoje sobre o vivido naquela noite e naquela época. Os entrevistadores foram preparados e conseguiram uma cumplicidade inicial bem consistente. Que se consolida na tela.

O projeto, que tem a parceria da Record Entretenimentos, começou com idéia de virar documentário sobre a era dos festivais, mas a amplitude do projeto levou a decisão de focar em 1967, já que é o festival da Record, daquele ano, foi considerado o mais rico musicalmente. Artistas brilhantes e músicas excepcionais, dando a cara pela primeira vez. Tradição e modernidade. Raiz e cultura estrangeira. As imagens e os testemunhos são marcantes. A produção é de João Moreira Salles e Maurício Andrade Ramos.



twitter
in Correio do Povo/ RS, 20.07.2010
 
3112 registros:  |< < 279 280 281 282 283 284 285 286 > >|